Pesquisa Datafolha não retrata realidade Paranaense

0
1498

Acesse este link para entrar no grupo O diário de Maringá no WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/CyOAD8ipNlUEr9ymsk6N2u

Acesse o link para entrar no grupo do Telegram do O diário de Maringá https://t.me/odiariodemaringa

Por: REQUIÃO FILHO

Por mais que se queira que o sistema de Ensino à Distância do Paraná seja eficiente e atenda às necessidades de nossa comunidade escolar, infelizmente, usar pesquisas furadas para se promover pode ser um grande tiro no pé. Pior ainda é usar manchetes escandalosamente mentirosas, como temos visto sendo publicadas em matérias duvidosas, para vender uma falsa imagem positiva de eficiência do Governo Estadual.

E não é difícil desmascarar! A comunidade escolar paranaense é formada por cerca de um milhão de alunos. E os números da pesquisa recente, realizada pelo Datafolha e divulgada pelo Governo do Paraná como uma manchete “incrível de sucesso”, detém uma amostra minúscula perto da realidade. Foram entrevistados, em todo Brasil, apenas 1.518 alunos, sem qualquer metodologia segura ou com um comparativo diferenciado entre os Estados.

A pesquisa se resume a apresentar um diagnóstico superficial e genérico dividido por região. Ou seja, isso leva-nos a crer que, no Paraná, possivelmente apenas (e jogando alto) talvez perto de 50 alunos ou seus familiares tenham sido entrevistados. E destes, muitos sequer tiveram a chance de serem sorteados para tal pesquisa, que apenas entrevistou alunos que possuíam telefone celular. Ou seja, os mais humildes, as famílias mais carentes, foram esquecidas por completo.

Só esses motivos já seriam suficientes afirmar com precisão que esta pesquisa é NULA! Também sequer apresenta, neste universo de 50 pessoas, onde elas moram, em que região ou ao menos a cidade.

Ainda assim, ela traz números assustadores que podem revelar uma realidade ainda pior do que a que estimamos.

58% dos alunos do Sul do Brasil estão com dificuldade na rotina das atividades em casa, 49% não está motivado para o EAD e 56% não está conseguindo manter os estudos em dia. Oras, que qualidade de ensino é essa que querem se gabar, se estamos entregando algo tão ineficiente às nossas crianças e adolescentes?

E segue a pergunta; Quantas estão tendo acesso de verdade? Qual o nível de aprendizado efetivo?

Não é de hoje que venho recebendo denúncias de pais, funcionários de escola, professores e alunos, preocupados com o ano letivo 2020. Professores relatando que suas turmas estão à míngua, pois os alunos são humildes e não estão conseguindo acompanhar as aulas pela internet ou pela televisão. Pais e mães desesperados, porque não possuem um sistema de internet ou um aparelho eletrônico para o acompanhamento das aulas. Isso a pesquisa do DataFolha não mostra!

Destaca apenas que 94% desses alunos que possuem celular e que moram em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, somados juntos, conseguiram, ao menos uma vez, acompanhar uma aula online nesses últimos meses. E essa fragilidade no acesso já o validou pela pesquisa como frequentador das aulas on-line. A pesquisa não especifica se eles continuaram assistindo, com que frequência, com que qualidade, e o que aprenderam efetivamente.

É um desastre! E pior de tudo, é esse povo todo ter como exemplo representantes que usam de números duvidosos para se autopromover. Tapar o sol com a peneira nunca foi uma saída inteligente, pois a verdade, mais cedo ou mais tarde, vêm à tona. E vai trazer com ela uma avalanche de problemas ainda maiores!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui