A série DNA do Crime da Netflix é plágio do livro Mamba Negra – O combate ao novo cangaço de Eduardo Bettini?

A série DNA do Crime da Netflix é plágio do livro Mamba Negra – O combate ao novo cangaço de Eduardo Bettini?

Há pouco mais de uma semana estreou na Netflix a Série “ O DNA do Crime”, série esta que recomendo pela qualidade, digna de produções Hollywoodianas, pela riqueza de detalhes, excelente edição e uma história fantástica, que diga-se de passagem não se trata apenas de uma mera obra de ficção. Confesso que assisti-a em uma só tacada sem conseguir tirar os olhos da TV. Episódio após episódio me deparei com uma verdadeira saga. E para mim em particular ela se tornou ainda melhor. Felizmente ou infelizmente ela é um plágio bem disfarçado do Livro “Mamba Negra – O combate ao novo cangaço” de meu grande amigo, uma lenda da PF e a quem tanto admiro, Eduardo Bettini. O episódio 4 em especial afirmo que é plágio completo, não tem como ser uma coincidência. Já o conjunto da obra, tenho certeza de que foi um profundo estudo das demais obras escritas por Bettini. De qualquer forma vale à pena, ler o livro e assistir a série. Casamento perfeito.

Eduardo Bettini

Em relação ao livro, muito além de ser apenas a narrativa de uma missão extremamente bem-sucedida, esse livro escrito pelo agente da polícia federal Eduardo Bettini em 2020, é uma epopeia de vida. Em um cenário onde uma missão especial é confiada a homens extraordinários, emerge uma história que transcende os limites da bravura. Enquanto a criminalidade no Brasil avança de maneira assustadora, assumindo novas formas ao longo dos anos, há uma elite que se destaca.

Conhecemos a força avassaladora das facções criminosas, que ajustam seu foco de acordo com suas ambições, sempre buscando as infrações mais lucrativas. Recentemente, uma estratégia criminosa emergiu como uma ameaça crescente: o Novo Cangaço, um assalto a bancos impregnado de violência. A tática dessas organizações é escolher cidades pequenas no interior do país, invadi-las durante a madrugada e semear o terror. Armados até os dentes, transformam a população em reféns, usando covardemente qualquer pessoa como escudo humano.

Nordeste: estudo inédito traz dados sobre consumo, xenofobia e representatividade

Diante de tais horrores, em 2017, um grupo destemido de policiais federais de Maringá, Bettini o 01, Calixto o 02, Martin o 03 e Fábio o 04 que formam o Grupo GEPOM – Grupo Especial de Polícia Marítima da Circunscrição da Delegacia de Polícia Federal de Maringá, indignados com as atrocidades ocorridas em São Paulo e no Paraná, decide intervir. Descobrem que os criminosos utilizam os rios como rota de fuga, e é aí que cometem seu maior erro. Pois nesses territórios fluviais, a Mamba Negra, a temível embarcação da Polícia Federal de Maringá, transformou-se, de instrumento dos criminosos, para a vanguarda na luta contra eles.

O livro nos conduz por uma jornada de intensidade impressionante, revelando os sacrifícios e desafios enfrentados por esses heróis anônimos na defesa de nossa sociedade. São guerreiros que, diante do caos, emergem como sentinelas destemidos, prontos para enfrentar o desconhecido em nome da justiça e da segurança de todos nós.

Fábio Margaridi

Professor e Advogado

Redação O Diário de Maringá

Notícias de Maringá e região em primeira mão com responsabilidade e ética

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *