Distúrbios de aprendizagem: entenda as diferenças

Distúrbios de aprendizagem: entenda as diferenças

Especialista dá dicas de como estimular o aprendizado de crianças com cada uma das diferentes condições

Nos anos recentes, um tema que passou a ser frequentemente discutido no contexto da educação são os distúrbios de aprendizagem, que afetam as habilidades formativas, cognitivas e socioemocionais de crianças em todo o mundo. Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, cerca de 15% das crianças em idade escolar enfrentam dificuldades educacionais. No Brasil, há quase 300 mil alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) matriculados nos ensinos infantil, fundamental e médio, de acordo com o Censo Escolar de 2021. Esses dados representam apenas uma pequena parcela de uma condição específica que pode se tornar um obstáculo no processo de ensino.

Para tornar o ambiente educacional mais inclusivo e acolhedor, é importante que pais, professores e educadores em geral compreendam melhor os distúrbios existentes. “Além disso, é imprescindível conhecer estratégias que podem ser utilizadas para trabalhar, em sala de aula, com as crianças que enfrentam essas dificuldades”, aponta Samea Cristina Macrini, especialista em distúrbios de aprendizagem e consultora pedagógica da Conquista Solução Educacional. A profissional elenca alguns dos principais distúrbios e dá dicas de como abordá-los em sala de aula.

Dislexia e discalculia

A dislexia é um distúrbio genético que dificulta o aprendizado e a realização da leitura e da escrita, podendo estar relacionada à disortografia (comprometimento somente na escrita) e à discalculia (comprometimento na matemática). “Entre os sintomas da dislexia na infância, destacam-se a dispersão, a falta de atenção, a dificuldade em aprender rimas e canções, e o atraso na coordenação motora. Já a discalculia é caracterizada pela dificuldade no aprendizado dos números, com desafios em contagens, sequências e operações aritméticas”, detalha Samea, ressaltando que essas dificuldades não tem nada a ver com inteligência, e sim com uma deficiência na compreensão. Para estimular essas crianças, a especialista sugere atividades que incluam música, rima, ritmo, palmas e percepção visual.

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

O TDAH é uma condição neurobiológica de causas genéticas, apresentando sintomas como falta de atenção, inquietação e impulsividade, que aparecem na infância e podem acompanhar a pessoa por toda a vida. “Normalmente, os sintomas incluem falta de atenção em detalhes, dificuldade em manter a atenção em tarefas, conversas e leituras, dificuldade em organizar compromissos, perder itens necessários e ser facilmente distraído por estímulos externos ou pensamentos”, revela a especialista, que indica estabelecer rotinas, criar regras claras, fazer pausas regulares, ensinar técnicas de organização e utilizar incentivos e elogios para estimular essas crianças em sala de aula.

Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O TEA é o resultado de alterações físicas e funcionais do cérebro, afetando o desenvolvimento motor, da linguagem e comportamental. Esse distúrbio afeta o comportamento da criança e os primeiros sinais podem ser notados nos primeiros meses de vida. Segundo Samea, os sintomas incluem o atraso no desenvolvimento da fala, dificuldade em manter contato visual, pouca interação social, sensibilidade extrema a estímulos e repetições de comportamentos. “Para trabalhar com crianças com TEA na escola, é crucial um diagnóstico precoce. Estabelecer uma rotina previsível, oferecer apoio na comunicação e suporte para habilidades sociais são as principais indicações”, recomenda.

Transtorno Opositivo Desafiador (TOD)

O TOD geralmente se manifesta durante a infância, caracterizado por comportamentos como agressividade, raiva, desobediência, provocação e ressentimento. “Comumente, os sintomas são: desobediência, irritabilidade, agitação, culpabilização dos outros, raiva constante, vingança, crueldade e agressividade”, detalha a especialista, que aconselha, para um melhor aprendizado, clareza com as regras, elogios, compreensão dos gostos da criança e liderança pelo exemplo.

Deficiência Intelectual

Na deficiência intelectual, a pessoa apresenta um atraso no desenvolvimento, dificuldade para aprender e realizar tarefas do dia a dia, bem como para interagir com o meio em que vive. Há um comprometimento cognitivo, que acontece antes dos 18 anos, prejudicando as habilidades adaptativas. Samea explica que os sintomas incluem atraso no desenvolvimento, falta de interesse, isolamento familiar, problemas de aprendizado, queixas somáticas, medo excessivo, irritabilidade, alteração de apetite, regressão de habilidades já adquiridas e fadiga. “Os familiares e educadores devem conversar muito e sobre tudo com a criança, estimulá-la a expressar suas necessidades, utilizar figuras para aumentar o vocabulário, priorizar qualidade acima da quantidade de atividades, dar poucas ordens de cada vez e usar diferentes estratégias e materiais para alcançar os mesmos objetivos,” orienta.

A especialista ressalta ainda que cada criança é única e individual, podendo apresentar comportamentos diferentes que não necessariamente estejam relacionados a um distúrbio. “Além disso, o diagnóstico e tratamento de qualquer distúrbio da aprendizagem devem ser realizados por profissionais qualificados, com o acompanhamento de médicos e psicólogos. Para auxiliar no diagnóstico, avaliações educacionais e recursos da neuropedagogia podem ser aplicados, permitindo a intervenção adequada dos educadores e profissionais da pedagogia”, finaliza.

Sobre a Conquista Solução Educacional

A Conquista é uma solução educacional que oferece aos alunos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino Médio uma proposta de educação e futuro que integra a família, a escola e a comunidade. Com diversos recursos, material didático completo e livros de Empreendedorismo e Educação Financeira, o objetivo da solução é ajudar, de forma consistente, os alunos no processo de aprendizagem e estimular o desenvolvimento de suas capacidades. Atualmente, mais de 1.700 escolas de todo o Brasil utilizam a solução.

Redação

Desde 1998, a Central Press ajuda a construir, ampliar, zelar e valorizar a reputação de empresas de vários portes e setores, com atuação nacional e internacional. É uma agência de comunicação “full service” com sólida experiência, que está em constante evolução. Afinal, é formada por profissionais inquietos e pautados pela criatividade. Dispõe de uma equipe multidisciplinar, com amplo conhecimento de mercado (Business Knowledge) e relacionamento estreito com lideranças e formadores de opinião. É formada por jornalistas, relações públicas, publicitários e especialistas em reputação, marketing, branding e comunicação empresarial. Atualmente, tem operações em Curitiba, Campo Grande, Cuiabá, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, além de escritórios de agências parceiras em Londres, Nova Iorque, Boston e Doha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *