27 brasileiros estão presos em Hong Kong por tráfico internacional de drogas

27 brasileiros estão presos em Hong Kong por tráfico internacional de drogas

“Vivemos um novo tipo de escravidão”. A afirmação é de John Wotherspoon, CEO da Voice for Prisoners, em recente visita ao Brasil, em viagem que integra uma agenda internacional composta por 13 países, incluindo também destinos como Etiópia, Uganda, Tanzânia, Zimbabwe, África do Sul, Tailândia, Malásia, Peru e Colômbia.

John Wotherspoon é idealizador da campanha “Não Mais Mulas” (em tradução livre de sua versão original, No More Mules), que deu origem à organização não-governamental Voice For Prisoners (VFP), fundada em Hong Kong há cinco anos para atuar no combate ao tráfico internacional de drogas.

O Brasil está no topo da lista de 2023, com o maior número de pessoas presas: ao todo, 13 brasileiros e brasileiras, entre 22 e 75 anos, foram detidos em Hong Kong no ano passado pelo tráfico de drogas, especificamente cocaína. Estas pessoas estão detidas e aguardam suas sentenças. No ranking geral, desde a criação da ONG, o Brasil ocupa o segundo lugar, atrás da Colômbia. No total, 27 brasileiros e brasileiras estão presos em Hong Kong, a maior parte deles (14), cumprindo sentenças que variam de 11 a 20 anos de encarceramento.

A comitiva da Voice For Prisoners no Brasil conta com as participações de de Jane Chow, Chefe de Operações, e Ulises Espinosa, Consultor da América Latina da VFP, e inclui visitas às famílias dos presos, além de encontros com autoridades governamentais e outras entidades ligadas à causa humanitária.

Entre os caminhos que levam uma pessoa a se tornar mula no tráfico internacional de drogas, destaque para a coerção, a inocência e a carência de recursos financeiros. “Essas pessoas são presas fáceis para grupos que atuam de forma coordenada conectando vários países e, infelizmente, tendo o Brasil como um dos hubs mundiais. É uma constante batalha e nós fazemos o que pode ser feito para prevenir pessoas de serem usadas como mulas e acabarem nas prisões de Hong Kong”, reforça o CEO da Voice For Prisoners.

Sobre a Voice for Prisoners
Voice for Prisoners é uma ONG com sede em Hong Kong que atua dentro e fora das prisões locais. Ao mesmo tempo, ajuda os prisioneiros a superarem parte dos desafios encontrados atrás das grades, apoiando-os por meio de programas de educação, facilitando a visitação às prisões e oferecendo suporte jurídico. A organização também promove campanhas online e por meio de viagens de missão para sensibilizar os países estrangeiros para as penas aplicadas aos traficantes.

Estão seus objetivos, a ONG trabalha para fornecer, em Hong Kong, ajuda humanitária e assistência aos prisioneiros, além de buscar reduzir o número de traficantes de drogas. No exterior, a VFP busca aumentar a conscientização sobre as consequências do tráfico de drogas e a vulnerabilidade das vítimas; educar os prisioneiros, famílias e comunidades sobre as consequências e incentivá-los a estabelecer redes, envolver-se e fazer lobby para a reforma legal e penal com o objetivo de melhorar a reabilitação dos reclusos.

Redação O Diário de Maringá

Notícias de Maringá e região em primeira mão com responsabilidade e ética

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *