Recomece, quantas vezes for necessário!

0
3795
Ester Corrêa
Ester Corrêa

Nossa vida é feita de fases, recomeços, idas e vindas.

Estamos constantemente em movimento, envoltos por pensamentos, sonhos, desejos, necessidades, aprendizados, afetos e desafetos. Assim vamos trilhando a nossa história. A medida em que vamos vivenciando tudo isso, deparamos com os erros, acertos, aplausos e as críticas — e as mais doloridas, as perdas. Essa, nos faz perder o rumo, traz sensação de que também nos perdemos e que não podemos continuar. Quando falamos de perdas, não estamos dizendo somente de pessoas, mas também dos nossos sonhos, aqueles que parecem estar longe demais. Basta sofrermos um não, que parece ir tudo de morro abaixo.
Muitas vezes, as coisas não saem como delineamos, aliás, na maioria das circunstâncias, algum detalhe do caminho sai do percurso, e sentimos uma imensa dificuldade em colocá-los de volta aos trilhos. Não é para menos — lidar com as frustrações, os nãos, as perdas nunca foram tarefa fácil, pois, aceitar que nossas escolhas não deram certo, que erramos, que um dia se perde e em outro se ganha, é uma habilidade que se adquire justamente vivenciando o caos. São nesses momentos em que percebemos que a vida não é só de alegrias, mas de lutas, desacertos, inúmeras tentativas, e os mais importantes — os recomeços!
Curvar-se em meio ao vendaval, às vezes são mais prudente e necessário — é o retrato da nossa resiliência e sabedoria, pois, quando a tempestade passa, é o momento de sacudir a poeira e seguir. Nessa retomada, saímos sem equilíbrio, com a visão ainda borrada, carregados de angústias e sem direção, mas é seguindo que achamos o rumo.
Recomeçar é um aprendizado que não vêm com manual, nem curso preparatório, faculdade nenhuma ensina. É o conhecimento que adquirimos em meio a tempestade das incertezas, dos obstáculos — é o mais dolorido.
Conforme os dias passam, as coisas vão se assentando, tomando seus lugares, surge a esperança, e aos poucos, mesmo que ainda confusos, vamos adquirindo forças. Nada como um dia após o outro. Nessa caminhada turbulenta, aprendemos as coisas mais valiosas, a gratidão, compaixão, tolerância, e a força que habita em nós. Dentre tantas descobertas, uma das mais valiosas é a nossa capacidade de nos moldarmos e a enfrentar tantas adversidades mesmo sem condições — fantástico!
É fundamental entender, que as falhas e as perdas fazem parte do nosso desenvolvimento, na escultura do nosso ser, nossa construção, mas para isso, precisamos viver cada momento e aprender com eles.
De certa forma, não existe certo ou errado quando falamos em recomeço, e inevitavelmente seremos conduzidos a ele mais de uma vez na vida. O mais importante é refazer, reiniciar, reescrever tudo novamente, quantas vezes for necessário por mais assustador que pareça.

Respire fundo, curve-se, espere a tempestade acalmar, dê um passo atrás. Recuar não é regredir, é impulsionar. Siga no seu tempo, testando seus limites, avançando um passo por vez, mas vai. Você não é o primeiro e não será o último a vivenciar das mais variadas turbulências. Peça ajuda se necessário, fale com quem te ouve com empatia, chore quando sentir vontade, silencie quando a mente pedir. Não se assuste com o tempo, cada um tem o seu. Fácil não é, nem impossível — apenas recomece!

*Ester Corrêa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui